--- Image caption ---

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento apresenta a segunda publicação da iniciativa Assessing COVID-19 Impact on the Sustainable Development Goals (SDGs), Avaliando o Impacto da COVID-19 nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) do PNUD, em português. O relatório, intitulado “Sem Deixar Ninguém para Trás: O Impacto da COVID-19 nos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável”, conclui que os impactos sociais e económicos da pandemia da COVID-19, a longo prazo, vão aumentar as desigualdades entre as pessoas que vivem nos países ricos e nos países pobres.

Aproximadamente oito em cada dez pessoas que poderão ficar pobres até ao final desta década, devido à pandemia, vão viver em países com baixo ou médio desenvolvimento humano, segundo o estudo, que foi realizado em parceria com o Centro Frederick S. Pardee de Futuros Internacionais da Universidade de Denver.

Esta pesquisa, que pode ser consultada aqui, baseia-se no primeiro relatório da iniciativa, lançado em dezembro de 2020, que mapeou três "futuros" diferentes para avaliar as potenciais trajectórias de recuperação da COVID-19 e os seus impacto nos ODS, considerando os efeitos multidimensionais da pandemia nas próximas décadas.

O novo relatório revela que a COVID-19 poderia elevar o número total de pessoas que vivem em extrema pobreza no mundo para mais de mil milhões até 2030. Mostram ainda que, embora a COVID- 19 possa levar a impactos graves de longo prazo, um conjunto de 'investimentos nos ODS' ambiciosos, mas viáveis, pode ajudar a ultrapassar a trajectória de desenvolvimento em que estávamos antes da pandemia, mesmo considerando os efeitos da COIVD-19.

A análise também inclui um foco especial nos países com níveis baixos e médios de desenvolvimento humano, de acordo com o Índice de Desenvolvimento Humano 2020 (IDH), em apoio à promessa da Agenda 2030 de não deixar ninguém para trás, como pode consultar aqui.

Usando o modelo de cenários, o estudo mostra como os governos podem fazer escolhas hoje com o maior potencial para impulsionar o progresso no futuro, dentro dos limites do planeta. Esse tipo de análise pode capacitar os governos a observar a COVID-19 não como uma crise no curto prazo, mas como uma oportunidade de transformação em direcção ao desenvolvimento sustentável no longo prazo.

Siga o link para aceder ao relatório 

 

Icon of SDG 01

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue