© PNUD

Uma característica fundamental da governança inclusiva é a capacidade dos cidadãos de fazerem ouvir suas vozes, o que promove uma maior participação política e cria parcerias entre governos e organizações da sociedade civil. A comunicação de questões de interesse como cidadãos ajuda a melhorar a elaboração de políticas baseadas em evidências que beneficiam todos os membros da sociedade e mostram respeito pela diversidade, direitos humanos e igualdade perante a lei. Com muita frequência, porém, as vozes dos mais vulneráveis ​​não são ouvidas. Este ano, o Dia Internacional contra Homofobia, Transfobia e Bifobia, sob o tema "Quebrando o Silêncio", lembra a todos que as vozes da comunidade LGBTI são rotineiramente excluídas sob um guarda-chuva de indiferença, estigma e discriminação.

A crise global decorrente da pandemia do COVID-19 afeta a comunidade LGBTI de várias maneiras. Em discussões recentes, pessoas LGBTI de todo o mundo destacaram problemas comuns que foram exacerbados durante a pandemia, como assistência médica, tratamento de HIV, abuso de força nas ruas pelas forças de segurança ou a importância do reconhecimento legal da identidade de género, especialmente em casos em que as medidas de quarentena exigem mobilidade com base no sexo registrado em documentos de identidade. As pessoas LGBTI, particularmente os jovens, correm risco de violência quando são obrigadas a confinar em lares que não são seguros para elas, ou geralmente têm dificuldades para acessar medidas de mitigação implementadas pelos governos devido à discriminação e exclusão sofrida por muitos.

O PNUD tem investido em esforços para garantir que, em todas as etapas da resposta à crise no Caribe, as vozes da comunidade LGBTI sejam levadas em consideração. As organizações da sociedade civil são apoiadas ao realizar pesquisas sobre o impacto da pandemia. Resultados irrelevantes mostram que há uma forte demanda por aconselhamento, alimentação e saneamento e apoio na denúncia de crimes durante esse período. As preocupações também incluem que, para muitos na comunidade, o distanciamento físico e o auto-isolamento em espaços seguros é um luxo para muito poucos.

Em declaração  no dia Internacional Contra a Homofobia, Bifobia e Transfobia - 17 de Maio, o Administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Achim Steiner afirmou que as pessoas e seus direitos devem ser colocadas na frente e no centro na resposta e recuperação do COVID-19. ‘’Devemos quebrar o silêncio no que diz respeito ao estigma e a discriminação sofridas pelas pessoas LGBTIQ. No Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), estamos a trabalhar  como parte da família das Nações Unidas para ajudar a quebrar o silêncio que prejudica as pessoas LGBTIQ e, finalmente, afeta a todos nós. Atualmente, o PNUD trabalha  em 53 países, em parceria com as comunidades e formuladores de políticas LGBTIQ, para fortalecer a inclusão de pessoas LGBTIQ em iniciativas nacionais de desenvolvimento’’.

A realidade das pessoas LGBTI é importante em todos os contextos, mas ainda mais durante uma crise que coloca os mais vulneráveis ​​em maior risco. Hoje, mais do que nunca, precisamos ouvir as vozes LGBTI para evitar violações dos direitos humanos, para garantir que medidas de saúde pública para conter a disseminação do coronavírus protejam os direitos de todos. Só então podemos caminhar juntos para criar um novo normal mais inclusivo e igual, para não deixar ninguém para trás.

 

Icon of SDG 03

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue