Foto: UN News/Laura Quinones/Secretário-geral da ONU discursa na COP26, em Glasgow.

Em Glasgow, secretário-geral da ONU afirma que a humanidade está cavando sua própria cova; António Guterres reforça que investir numa economia resiliente e de zero emissões de carbono é a melhor maneira de reverter situação e destaca seu apoio ao “exército de jovens” que lutam pela ação climática.  

A cúpula de líderes da Conferência da ONU sobre Mudança Climática, COP26, começou nesta segunda-feira em Glasgow, Escócia, com o secretário-geral dizendo de forma enfática que a humanidade está “cavando a sua própria sepultura”. 

António Guterres afirmou ao mundo e aos líderes globais que é hora de dizer chega, pois os últimos seis anos foram os mais quentes já registrados e o “vício por combustíveis fósseis” está empurrando a humanidade para a beira do abismo. 

Aumento exagerado da temperatura  

Aumento exagerado da temperatura

“Chega de tratar a natureza como toalete, chega de nos matar com carbono”, afirmou o chefe das Nações Unidas em Glasgow. Ele lembrou que o aumento do nível do mar já dobrou nos últimos 30 anos, que os oceanos estão mais quentes do que nunca e que áreas da Floresta Amazônica já emitem mais carbono do que absorvem.  

Guterres destacou que o último levantamento sobre as Contribuições Nacionalmente Determinadas mostra que as propostas dos governos poderão levar o mundo a um aumento “calamitoso” da temperatura para 2,7 °Celsius.  

O secretário-geral afirmou na abertura da COP26 “que estamos no caminho para um desastre climático”. 

Meta de reduzir emissões de gases 

Foto: ADB/Ariel Javellana Emissões com a queima de carvão contribuem para a poluição em Ulaanbaatar, na Mongólia.

António Guterres ressaltou que “falhar é uma sentença de morte” e que “este é o momento da verdade”, ao estimular os investimentos numa economia resiliente ao clima e “net zero”, ou seja, de zero emissões de CO2.  

Segundo o secretário-geral, “vários países já firmaram compromissos credíveis de acabar com as emissões até meados do século”, muitos já deixaram de financiar a indústria do carvão e mais de 700 cidades estão liderando o caminho para a neutralidade climática.  

Guterres mencionou também “o exército da ação climática, liderado pelos jovens, que não para, está cada vez maior e mais barulhento e que veio para ficar”. O secretário-geral das Nações Unidas reafirmou seu total apoio ao grupo. 

Durante o discurso na cúpula climática em Glasgow, o chefe da ONU lembrou que os líderes mundiais sabem o que fazer e que a principal meta deve ser manter o aquecimento global a 1,5° Celsius acima dos níveis da era pré-industrial.  

Alianças entre países  

Unsplash/Adam Marikar/Conferência de Glasgow é tida como a última e melhor esperança de se manter o limite de aquecimento de 1,5 ºC ao alcance

Isso será possível com ações para reduzir as emissões globais em 45% até 2030 e António Guterres lembrou o enorme papel do G20, uma vez que o grupo das 20 maiores economias do mundo é responsável por 80% das emissões de gases de efeito estufa.  

Aos países emergentes, o secretário-geral informou que precisam ir além, pois a contribuição dessas nações é essencial para uma redução eficaz das emissões. Ele sugeriu que nações desenvolvidas e emergentes formem alianças para criar condições técnicas e financeiras para acabar com o uso do carvão e “descarbonizar” a economia.  

No caso de os países não firmarem compromissos suficientes na COP26, António Guterres sugere que sejam revistos, todos os anos, os planos nacionais climáticos e políticas do setor.  

Financiamento precisa chegar  

Em Glasgow, o secretário-geral também anunciou a criação de um grupo de especialistas que irá propor padrões claros sobre como medir e analisar os compromissos sobre emissões zero.  

Guterres pediu também que o mundo faça mais para proteger comunidades vulneráveis dos perigos da mudança climática, já que na última década, quase 4 bilhões de pessoas sofreram de desastres ligados ao clima.  

Para o secretário-geral, esta COP precisa ser um momento de solidariedade, pedindo que o compromisso de repassar US$ 100 bilhões por ano para os países em desenvolvimento combaterem a mudança climática precisa se tornar uma realidade.  

Ouvir as vozes  

Ele agradeceu Alemanha e Canadá por honrarem o compromisso e lembrou que o financiamento climático é essencial para restaurar a confiança e a credibilidade. Guterres mencionou em especial os países menos desenvolvidos e as pequenas ilhas em desenvolvimento, por precisarem urgentemente de financiamento.  

O secretário-geral das Nações Unidas terminou seu discurso de abertura na COP26 afirmando que as “sirenes estão tocando, o planeta está nos dizendo algo, as pessoas também”. 

Segundo António Guterres, a “ação climática está no topo da lista de preocupações” da população no geral e por isso, ele fez um apelo aos líderes mundiais para que escolham “ambição, solidariedade e escolham proteger nosso futuro e salvar a humanidade.” 

Icon of SDG 13

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue