--- Image caption ---

A Representante Residente Adjunta do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Angola, Mamisoa Rangers, participou na quarta-feira, 21 de Abril, na primeira reunião do Comité de Pilotagem do projecto de criação de uma área de conservação marinha em Angola. Este projecto está a ser coordenado pelo Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas de Conservação, com o apoio do PNUD, e conta com o financiamento do 6.º Ciclo do Fundo Global para o Ambiente, conhecido como GEF6.

No seu discurso, a Representante Residente Adjunta do PNUD lembrou que “Angola é um hotspot de biodiversidade marinha”, por estar localizada na junção de dois Grandes Ecossistemas Marinhos africanos – o GEM da Corrente da Guiné e o GEM da Corrente de Benguela, e por isso abriga “várias espécies ameaçadas, ecossistemas sensíveis e rota de aves migratórias” que devem ser preservados.

No evento foi apresentado o projecto, o plano geral e as perspectivas da área de conservação marinha em Angola.

“Ao longo dos 1650 km de costa, a economia do país está altamente ligada ao mar”, referiu Mamisoa Rangers, reforçando a importância do diálogo intersectorial entre todas as partes interessadas e a integração da população local na gestão e nos benefícios da conservação. A parceria com o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente e o Ministério da Agricultura. O mar gera emprego, tanto pela pesca artesanal e industrial, como na exploração petrolífera e mineira, as telecomunicações e o turismo.

A Representante Residente Adjunta frisou ainda que esta semana, dia 22 de Abril, se celebra o Dia da Terra e que devemos promover a conservação dos recursos naturais para proteger os ecossistemas marinhos e vidas.

A conservação marinha está colocada na agenda de prioridades do Ministério do Ambiente, Cultura e Turismo, como forma de travar e reverter a perda de biodiversidade e de ecossistemas. Em Agosto do ano passado, realizou-se o “Workshop de Criação de um Mecanismo Intersectorial para apoiar a Nova Rede das áreas de Conservação Marinha em Angola”

 

Icon of SDG 11 Icon of SDG 14

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue