© PNUD Angola

A Organização das Nações Unidas (ONU) e o Governo de Angola assinaram esta sexta-feira o Quadro de Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável (UNSDCF) para o período 2020-2022, numa cerimónia que contou com a presença de ministros e altos representantes do Governo e das agências da ONU em Angola.

O Quadro de Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável, foi assinado pelo Ministro da Economia e Planeamento, Dr. Sérgio de Sousa Santos, em representação do Governo, pelo Coordenador Residente das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, bem como pelos líderes das agências das Nações Unidas, incluído o Representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Angola, Henrik Fredborg Larsen.

O documento foi elaborado conjuntamente pelo Governo e pelo Sistema das Nações Unidas, sob a coordenação do Ministério da Economia e Planeamento e estabelece em que moldes o Sistema da ONU irá apoiar o Governo a atingir as metas globais da Agenda 2030 e os 17 Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e quais serão as prioridades para ambas as partes durante os próximos dois anos.

“O Governo de angola aqui reafirma a sua grande preocupação e empenho com os 5 P’s dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável: com as Pessoas, com o Planeta, com a Prosperidade, com a Paz e com as Parcerias”, afirmou o Ministro da Economia e Planeamento, Dr. Sérgio de Sousa Santos, no seu discurso, realçando, de seguida, “três objectivos muito concretos”.

“Queremos que este quadro de cooperação nos auxilie a vencer os desafios que temos com as pessoas, pois garantir a coesão social em Angola é muito importante, que nos ajude a defender a sustentabilidade ambiental, a nossa preocupação com o planeta, e queremos que seja um quadro de cooperação que nos garanta a prosperidade, ou seja, o crescimento económico”, explicou o Dr. Sérgio de Sousa Santos.

As metas acordadas estão alinhadas com o Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018-2022 e vão exigir um grande esforço de coordenação a nível político, estratégico e técnico dos funcionários e membros do Governo, Nações Unidas, sociedade civil, sector privado e outros parceiros de desenvolvimento.

“Com esta assinatura declaramos o nosso compromisso para materializar uma Angola desenvolvida, sem pobres, sem iletrados, sem desnutridos, com uma economia dinâmica e activa, com uma população com bem-estar, com jovens empoderados no seus direitos e nas suas obrigações e com acesso a emprego, com mulheres respeitadas, empoderadas e com crianças educadas, saudáveis e nutridas”, disse o Coordenador Residente das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, no seu discurso. “Um país onde não existam desigualdades e onde há democracia e estabilidade, fruto da presença de instituições fortes que defendem os direitos humanos com uma boa governação”, continuou.

“Para realizar estas metas”, continuou o Coordenador Residente da ONU, é preciso “avançar de forma focada, estratégica e operacional”. “Podemos fazer esse caminho juntos”, concluiu Paolo Balladelli.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, que é agência líder do desenvolvimento e está presente em Angola desde 1977, irá contribuir para o presente quadro de cooperação com o Governo, promovendo o empoderamento dos jovens e das mulheres, a resiliência ambiental, a boa governação e o combate à pobreza, com o objetivo de “não deixar ninguém para trás”.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue