Da direita para a esquesrda: Sua Excelência Ministro de Relações Exteriores, Teté António, novo Representante Residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Angola, Edo Stork acompanhados do Dr. José Félix, Especialista de Programa do PNUD em Angola.

Luanda, 27 de Julho de 2020 -  O Ministro de Relações Exteriores, Teté António, recebeu nesta segunda-feira­feira, em Luanda, as Cartas Credenciais do novo Representante Residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Angola, Edo Stork, nacional dos Países Baixos (Holanda). As Cartas Credenciais, que foram entregues pelas mãos do novo responsável pela agência líder do desenvolvimento da Organização das Nações Unidas no país, estão assinadas por Achim Steiner, Administrador Global do PNUD.

“Reconheço que cheguei num momento difícil, mas Angola, nos últimos 6 meses, tem feito enormes esforços para conter a propagação e circulação da COVID-19 pelo país”, afirmou Edo Stork. “A implementação, há tempo, do Estado de Emergência e do Estado de Calamidade, é de todo louvável. Contudo, temos que reconhecer que o impacto social e económico da COVID-19 é muito grande, tanto para as empresas como para as famílias.”

“Vamos colocar o desenvolvimento, a inovação e a tecnologia ao serviço da sustentabilidade”

“A comunidade internacional vai trabalhar de forma estreita com o Governo angolano e a sociedade civil do país para garantir que ninguém é deixado para trás”, assegurou o Representante Residente do PNUD.

“Vamos colocar o desenvolvimento, a inovação e a tecnologia ao serviço da sustentabilidade, para que Angola preserve as suas maiores riquezas naturais, seja a biodiversidade na terra e no mar, os solos agrícolas férteis, o turismo e as paisagens naturais”, continuou Edo Stork. “A valorização do nacional e a diversificação da economia vão permitir combater a pobreza em Angola e minimizar os efeitos das alterações climáticas, colocando-nos mais perto de alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável. É com orgulho e uma enorme vontade de trabalhar, que me junto agora a esta empreitada, ao lado do Governo de Angola”. 

“Temos a necessidade de aprimorar os sistemas de protecção social para assegurar a protecção e apoios aos grupos mais vulneráveis, incluindo as pessoas que trabalham na economia informal”, ressaltou.

“Sob a direcção do Governo,” referiu Edo Stork, “o  PNUD continuará a apoiar a elaboração do Relatório Nacional Voluntário sobre os progressos dos ODS, que será presentado em 2021, e a adopção da  ferramenta– iSDG ( Análise Integrada dos ODS nos processos de planeamentos, orçamentos e projecções  de desenvolvimento do País”.

“Destaco, igualmente, o apoio na análise macroeconómica para promover a diversificação económica, a promoção das Pequenas e Médias Empresas, a formação técnico-profissional e agricultura sustentável, redução da Pobreza multidimensional e desigualdades sociais através dos Ministérios-chaves,” continuou o Representante, não esquecendo “a promoção dos direitos humanos e igualdade de género, o desenvolvimento humano integrado, bem como a participação inclusiva dos cidadãos na vida activa da sociedade e realização das eleições autárquicas”.

“Agradeço ao Governo de Angola pela contribuição regular ao GLOC (Government Contributions to Local Office Costs) e também pelo facto de, pela primeira vez, Angola  se ter juntado à lista dos contribuintes do orçamento principal do PNUD global e local, com o financiamento de programas de apoio ao desenvolvimento local.  Igualmente, agradeço pela confiança atribuída ao PNUD como Recipiente Principal do Fundo Global para as áreas do HIV/SIDA, Malaria e Tuberculose”, afirmou Edo Stork. 

Edo Stork é Mestre em Informática com uma especialização em Inteligência Artificial. Tem experiência em diversas áreas como: Avaliação de desenvolvimento; Desenvolvimento de liderança e Gestão de Projectos; Desenvolvimento de Estratégias, Liderança e Desenvolvimento das Nações Unidas; Ética, Padrões Internacionais de Contabilidade do Sector Público (IPSAS); Segurança das Nações Unidas; Género e Desenvolvimento; VIH SIDA, entre outras.

Anteriormente a esta missão, Edo Stork era o Representante Residente Adjunto do PNUD no Perú (2016- Maio 2020), nas Honduras (2012-2015) e Trinidad e Tobago (2008-2012). De 2005 a 2008 desempenhou as funções de Especialista Sénior de Programas na Sede do PNUD, em Nova Yorque, e anteriormente de Facilitador Principal no Escritório das Nações Unidas para Serviços de Projetos (UNOPS), na Papua Nova Guiné, em 2004. 

Edo Stork exerceu o cargo de Gerente Regional para o Pacífico Sul para o Escritório de UNOPS de 2003 a 2004, foi Director de Programas Tecnologias de Comunicação e Informação para o Desenvolvimento do PNUD de 2001 a 2003 no Pacífico (Ilhas Fiji, Samoa, e Papua Nova Guiné).

Desempenhou também, os cargos de Especialista Associado em Tecnologia da Comunicação da Informação no Perú, Gestor de aplicativos de software e Consultor de software na Holanda, Oficial de projectos  para Programas de Desenvolvimento em África, na Swazilândia.

O novo Representante Residente do PNUD em Angola fala fluentemente inglês, espanhol, alemão e tem conhecimentos profissionais de português e francês. Destaca-se a contribuição como Gestor para Mudanças de Abordagem nos Programas de Desenvolvimento, bem como para várias publicações técnicas e científicas em vários países.

Edo Stork, que chegou ao país a 1 de Julho último, sucede a Henrik Fredborg Larsen, que terminou a sua missão a 30 de Junho, como representante do PNUD em Angola

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue