Nova Iorque - Os homens superam três vezes mais as mulheres nas forças de trabalho governamentais da COVID-19 em todo o mundo. Esta representação desproporcionada irá dificultar a recuperação das mulheres da pandemia, de acordo com os novos dados divulgados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), através da ONU Mulheres, e o Laboratório de Investigação da Desigualdade de Género (GIRL) da Universidade de Pittsburgh.

Como o mundo marca um ano da pandemia, as mulheres, em média, ainda constituem apenas 24% dos membros entre as 225 forças de trabalho COVID-19 examinadas em 137 países, como mostra a ferramenta COVID-19 Global Gender Response Tracker que analisa as políticas pandémicas governamentais. E em 26 grupos de trabalho, não há, chocantemente, mulheres.

Estes novos dados surgem à medida que o mundo continua a navegar na pandemia global e os seus impactos espantosos nas mulheres - desde o seu papel de trabalhadores da linha da frente dos cuidados de saúde, à perda de empregos à medida que a economia informal diminui, ao aumento alarmante da violência doméstica e da carga de cuidados não remunerados, ameaçando empurrar mais 47 milhões de mulheres para a pobreza extrema.

"As mulheres têm estado na linha da frente da resposta da COVID-19, constituindo 70% dos trabalhadores do sector da saúde a nível mundial. No entanto, têm sido sistematicamente excluídas dos processos de tomada de decisão sobre a forma de enfrentar os impactos da pandemia. Estes novos dados que abrem os olhos mostram, por exemplo, que apenas oito países no mundo têm task forces COVID-19 com paridade de género", diz Achim Steiner, Administrador do PNUD. "A participação plena e inclusiva das mulheres nas instituições públicas é fundamental para assegurar que as suas necessidades sejam adequadamente atendidas nas decisões cruciais que estão a ser tomadas - estas são escolhas que determinarão o seu futuro para as gerações vindouras".

Sem mulheres em cargos de  decisão, as medidas da COVID-19 tomadas pelos governos são mais susceptíveis de ignorar as necessidades das mulheres e podem exacerbar ainda mais as desiguais oportunidades de recuperação da pandemia, que já ameaça inverter décadas de progresso em matéria de igualdade de género.

O PNUD e a ONU Mulheres  apelam os governos a garantir que as mulheres não só tenham igual participação na resposta e nos esforços de recuperação da COVID-19, mas também tenham igual poder de decisão e oportunidades de liderança. Para uma resposta eficaz à COVID-19, as políticas e programas devem também incluir uma perspectiva de género, embora 32 países ainda não registem quaisquer medidas sensíveis ao género em resposta à COVID-19.

"É inconcebível que possamos enfrentar a crise mais discriminatória que alguma vez vivemos sem o pleno envolvimento das mulheres", diz Phumzile Mlambo-Ngcuka, Directora Executiva da ONU Mulherer. "Neste momento, os homens deram a si próprios a tarefa impossível de tomar as decisões correctas sobre as mulheres sem o benefício dos conhecimentos das mulheres. Isto precisa de ser corrigido sem demora para que possamos trabalhar em conjunto num futuro que seja equitativo, que responda às questões de género e que seja mais verde".

Existem lacunas no processo de recuperação económica que até agora têm excluído em grande parte as necessidades específicas das mulheres. Os dados do Tracker mostram que, em Março de 2021, apenas 13% das 2.280 medidas fiscais, de protecção social e do mercado de trabalho da COVID-19 visam a segurança económica das mulheres. E as medidas tomadas - de transferências monetárias e ajuda alimentar que visam ou dão prioridade às mulheres - foram frequentemente de pequena escala e temporárias: um ano após a pandemia, a maioria dos esquemas de transferência de dinheiro durou apenas 3,3 meses, em média. Os pacotes fiscais devem incluir medidas específicas a longo prazo para impulsionar a recuperação das mulheres da pandemia.

O Tracker também revela que apenas 11% das medidas de protecção social ou do mercado de trabalho se referem aos cuidados não remunerados e ao trabalho doméstico, dos quais pré-pandémicos, as mulheres estavam a fazer três vezes mais do que os homens. As boas práticas, na sua maioria tomadas pela Europa e pelas Américas, incluem a prestação de serviços de cuidados infantis (34 países), licença familiar ou por doença remunerada (44 países), ou acordos de trabalho flexível (11 países).

"Precisamos de mais e melhores dados, e colaborações como as que existem entre a Universidade de Pittsburgh e as Nações Unidas podem ajudar-nos a chegar lá", diz Ann E. Cudd, reitora-chefe e Vice-Chanceler Sénior da Universidade de Pittsburgh. "Esta parceria de investigação gerou novos dados importantes que não só realçam o problema, mas também fornecem as provas necessárias para enfrentar estas disparidades".

De acordo com dados do Tracker, os esforços dos governos relacionados com o género COVID-19 continuam a ser mais concentrados na abordagem do aumento da violência contra as mulheres e raparigas durante a pandemia. Das medidas sensíveis ao género no Tracker, cerca de 64% concentram-se na prevenção ou resposta à violência contra as mulheres e raparigas, incluindo acções como a oferta de linhas de ajuda, abrigos e respostas judiciais.

Embora este seja um primeiro passo positivo, apenas um terço dos países com dados disponíveis têm tratado a violência contra mulheres e serviços relacionados com raparigas como parte integrante dos seus planos de resposta nacional e local a pandemias.

 

Nota aos editores:

O documento  COVID-19 Global Gender Response Tracker, do PNUD e da ONU Mulher, alojado na Plataforma sobre   Dados Futuros da COVID-19 do PNUD, fornece informações sobre as disparidades de género nas respostas COVID-19 desde a violência baseada no género ao estímulo económico às medidas de protecção social para as mulheres. Foi actualizada desde o seu lançamento em Setembro de 2020 para incluir mais de 3.100 medidas em 219 países e territórios.

O Laboratório de Investigação da Desigualdade de Género (GIRL) da Universidade de Pittsburgh desenvolveu a metodologia do estudo e apoiou a recolha de dados para os novos dados sobre a liderança e representação das mulheres nas task forces nacionais da COVID-19 através da sua parceria contínua com o PNUD sobre Igualdade de Género na Administração Pública. Foi prestada ajuda adicional pelos Voluntários Online das Nações Unidas.

Uma análise mais aprofundada dos dados do Tracker pode ser encontrada aqui nas fichas de informação.

Icon of SDG 05

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue