UNDP Angola

“O voluntariado é uma forma poderosa de envolver pessoas para fazer uma frente de desenvolvimento em todo o mundo”, referiu esta sexta-feira o Representante Residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Angola, ressaltando “o poder transformador das pessoas”. Henrik Larsen falava na abertura do Seminário Nacional para a Validação das Propostas de Lei e da Política Nacional do Voluntariado, organizado pela Casa Civil do Presidente da República, em parceria com o PNUD.

Sob o lema “Voluntariado, uma forma de solidariedade para com a comunidade”, o seminário visava apresentar as propostas e colher os contributos das organizações da sociedade civil, instituições religiosas, instituições académicas, ordens profissionais e outros interessados, para a sua validação.

No discurso de abertura, o Ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, General Pedro Sebastião, referiu que este assunto "é do interesse de todos nós, pois tem a ver com valores muito nobres para a humanidade como a igualdade, a liberdade, a solidariedade, a defesa do bem comum e dos direitos fundamentais, a equidade, a justiça e a coesão social, bem como com a promoção solidária e participativa das capacidades de cada um de nós".

“Devemos estar preparados e abertos para estendermos, de modo organizado, a actividade de voluntariado a sectores importantes como a Saúde, Educação, Ambiente, Desporto, Justiça, Cultura e Habitação”, continuou, o Ministro de Estado.

Tanto a lei como a política nacional têm como objectivo regular e criar um ambiente favorável às iniciativas voluntárias, promover uma boa relação entre as organizações e os voluntários, prevenindo conflitos, e definir os direitos e deveres do voluntário. Ambos os documentos referem a solidariedade, a gratuitidade, a participação, cooperação, responsabilidade, convergência, complementaridade e a unidade e identidade nacional como os princípios do voluntariado.

A Secretária para os Assuntos Sociais do Presidente da República, Dra. Fátima Viegas, referiu que o processo de criação das propostas de lei e de política nacional do voluntariado iniciou em 2016 e desde então realizaram-se várias actividades de auscultação, com diferentes grupos da sociedade e em várias províncias. Explicou ainda que os presentes poderão submeter por escrito as sugestões aos documentos até ao final da presente semana, mas muitos aproveitaram o seminário para apresentarem logo recomendações aos diplomas.

No encontro, o PNUD parabenizou a equipa que esteve envolvida na elaboração das propostas e frisou o alto nível de desemprego dos jovens, acima dos 50%, e o potencial que estes teriam, como voluntários, para transformarem a realidade ao seu redor. “O Voluntariado Nacional poderá promover uma cultura de coesão social capaz de contribuir para uma melhor qualidade de vida dos cidadãos, que reforce os valores da cidadania mediante políticas públicas transversais nos sectores públicos e privados, em particular os diferentes segmentos da sociedade civil”, afirmou Henrik Larsen.

Henrik Larsen deu como exemplo a experiência de sucesso dos Voluntários da ONU e informou que, todos os anos, mais de 7000 homens e mulheres de mais de 170 nacionalidades servem as Nações Unidas, em mais de 140 países, incluindo Angola.

Beryl Massiya, analista de operações e ponto focal do Programa de Voluntariado das Nações Unidas em Angola, foi mais expansiva sobre este ponto e falou sobre a evolução do número de voluntários no país  e no mundo, as vantagens oferecidas pela ONU aos voluntários e o que é esperado deles.

Foram muitas as questões levantadas pelo público e as principais eram referentes à necessidade de criação de um perfil do voluntário, de formação específica para os voluntários e de se encontrarem mais e diferentes formas de financiar esta actividade, bem como de prestar contas.

No seminário foram também apresentados outros casos de sucesso de voluntariado pelo mundo, como o da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, e em Angola, como o projecto “Heróis de Azul”, do Standard Bank, o Portal do Voluntariado e a experiência da MOSAIKO.

Discurso proferido pelo Representante Residente do PNUD em Angola, Henrik Fredborg Larsen

 

PNUD PNUD no mundo

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue