Angola celebra hoje o Dia Nacional do Ambiente e o PNUD Angola não poderia estar mais satisfeito por poder juntar-se a esta comemoração, e orgulhoso por poder afirmar que a parceria com o Ministério do Ambiente tem sido produtiva e eficaz. Em defesa do meio ambiente, da conservação dos ecossistemas naturais e da biodiversidade, o Governo de Angola, através do Ministério do Ambiente, tem investido recursos e mobilizado esforços notáveis, podendo contar sempre com o apoio do PNUD Angola e do Fundo Global para o Ambiente.

Da nossa parte, aproveitamos a ocasião para celebrar o primeiro aniversário da promessa do PNUD Angola de abdicar do uso de plásticos descartáveis e congratulamo-nos por termos conseguido manter-nos fieis à nossa palavra e compromisso social. 

Tudo começou quando aceitámos, no ano passado, o desafio da presidente da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, María Fernanda Espinosa, e aderimos à campanha global contra a poluição por plásticos, reduzindo a nossa pegada ambiental. “Daqui para frente, sem plásticos descartáveis”, afirmou, na altura, o Representante Residente do PNUD Angola, Henrik Fredborg Larsen, oficializando o compromisso.

Gradualmente, fomos alterando os nossos comportamentos e hábitos, até ao ponto de, hoje, conseguirmos dizer que no escritório do PNUD Angola raramente se usam garrafas de plástico, sacos de supermercado, embalagens, copos, pratos e talheres de plásticos.

Cada um dos membros das nossas equipas poderá partilhar deste sentimento de orgulho, já que, em conjunto, provámos que sim, é possível vivermos com menos plástico. Para tal, basta cultivarmos o hábito de trazer louça de casa, beber água do bebedouro e usar embalagens reutilizáveis.

O exemplo também foi partilhado com os nossos parceiros e colaboradores, já que nos eventos e reuniões que o escritório do PNUD Angola tem organizado no último ano, o uso de plásticos descartáveis foi reduzido para o mínimo indispensável.

Além disso, temos difundido a mensagem e sensibilizado parceiros do sector público, privado, das ONGs, Organizações da Sociedade Civil e da Academia sobre os efeitos nocivos da poluição por plásticos, principalmente para a vida marinha.

O Laboratório de Aceleração do PNUD Angola, criado em 2019, também se tem dedicado a encontrar soluções para a gestão de resíduos e economia circular.

A meta é  promover a mudança de hábitos, para que todos contribuam para a preservação do nosso ambiente. 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue