UNDP Angola

Jornadas sobre o Dia Internacional de Combate à Corrupção

Lema: “Combate à Corrupção: Nossa Responsabilidade”

Governo de Angola, Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos

Luanda, 09 de Dezembro de 2019

 

Discurso do Representante Residente do PNUD

Henrik Fredborg Larsen

Local: Auditório Banco Económico

_____________________________________________________

Excelência, Ministro da Justiça e dos Direitos Humanos:

Dr. Francisco Queiroz;

Excelência, Procurador Geral da República:

General Hélder Pitta Grós;

Suas Excelências Ministros, Secretários de Estado, Membros dos Poderes Judicial e Legislativo, Venerandos Juizes e Magistrados, Técnicos Séniores do Estado, Membros da Sociedade Civil, Colegas das Nações Unidas, Parceiros, Palestrantes e Convidados.

Muito bom dia e meus profundos agradecimentos pela oportunidade e a parceria do Estado Angolano com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento nos esforços nacionais de combate à corrupção.

“Unidos Contra a Corrupção”, é o lema das Nações Unidas sobre o combate à corrupção. Em todo mundo, cerca de 1 trilhão de dólares é anualmente pago em suborno, e cerca de 2.6 trilhões de dólares (equivalente à 5% do PIB Mundial) são anualmente perdidos à corrupção. Em países em via de desenvolvimento, os fundos perdidos à corrupção são cerca de 10 vezes superior ao valor da Assistência Oficial para o Desenvolvimento. Sabemos que concordamos em dizer com ‘#’ para simbolizar a unificação nesta campanha:

‘#o dinheiro de Angola para o desenvolvimento de Angola’

Por isso, as Nações Unidas apelam á todos (governos, poderes judicial e legislativo, sociedade civil, sector privado e indivíduos) a participar no combate à corrupção, porque a corrupção enfraquece os fundamentos das instituições democráticas, contribui para a instabilidade com a fomentação da desconfiança pública, e colude com o tráfico de pessoas, drogas e outras formas de crime organizado. A corrupção sufoca o crescimento económico e a inovação, e desencoraja o investimento tanto interno como externo. A corrupção desvia fundos destinados à serviços essenciais como saúde, educação, água potável, sanitação e habitação. A corrupção reduz a oportunidade de emprego e ameaça os recursos finitos do planeta.

O objectivo dos seus esforços – e vou dizer com um segunda ‘#’: ‘A responsabilização por

‘#cada kwanza’

……. pode ser reforçada por processos de orçamentação mais participativos em todos os níveis e através de mecanismos de denûncia de actos de corrupção.

Gostaria de parabenizar o Governo de Angola pelo compromisso firme ao mais alto nível de prevenir e combater a corrupção, bem como pelo compromisso com a plataforma da SADC criada recentemente em Outubro do corrente ano, que visa acelerar a acção na implementação da Convenção das Nações Unidas Contra o Corrupção (UNCAC).

Na sua capacidade de integrador nos processos de desenvolvimento, o PNUD compromete-se a apoiar com o alinhamento da assistência dos parceiros internacionais às prioridades nacionais no combate à corrupção, bem como os esforços de coordenação da acção inter-sectorial, e assim ajudar a evitar duplicação de acção, o monitoramento de resultados e do impacto e a optimização dos recursos.

Em conclusão, gostaria de apelar mais uma vez para a unidade no combate à corrupção, pois o combate efectivo à corrupção pode ser um forte acelerador na redução da pobreza, na diversificação da economia, na criação de emprego, no melhoramento dos serviços básicos, na protecção do ambiente e no fortalecimento das instituições e da democracia para a realização do desenvolvimento sustentável.

Muito obrigado pela atenção! 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue