O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) esteve representado na Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia, no dia 29 e 30 de Novembro, e apoiou o Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação na sua organização.

"Angola tem o desafio de aplicar progressivamente o conhecimento científico e tecnológico no sistema produtivo a favor do desenvolvimento sustentável", disse a Representante Residente Adjunta do PNUD, Mamisoa Rangers, no seu discurso, fazendo também referência ao dia 10 de Novembro, o Dia Mundial da Ciência pela Paz e pelo Desenvolvimento.

A Representante Adjunta participou na Conferência, ao lado da Ministra do Ensino Superior Ciência, Tecnologia e Inovação, Dra. Maria do Rosário Sambo. Além de muitos jovens homens e mulheres, estiveram presentes nos dois dias da conferência reitores de universidades e representantes da academia.

Mamisoa Rangers falou sobre a importância da tecnologia, da ciência e do papel das universidades para a construção de sociedades mais saudáveis e sustentáveis e para se alcançar um “entendimento mais profundo sobre os laços entre o conhecimento científico, inovações tecnológicas e mudanças sociais a favor da sustentabilidade económica, social e ambiental”.

Como não podia deixar de ser, a Representante apelou que as mulheres não sejam deixadas para trás neste processo, já que "o desenvolvimento sustentável só será possível com o envolvimento de todos. Não devemos esquecer as mulheres, pois nem a ciência nem a tecnologia têm género".

Na conferência, o PNUD informou aos presentes sobre os seus principais programas e projectos e as actividades realizadas para apoiar o Governo de Angola a alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável. Os jovens tiveram ainda a oportunidade de participar num desafio sobre os ODS e receber um Certificado de Excelência. 

O PNUD e o seu Laboratório de Aceleração, estão a mudar a forma como a agência de desenvolvimento pensa e investe para oferecerem serviços simples, para lidar com problemas de desenvolvimento complexos. O Laboratório de Aceleração do PNUD foi criado para testar novas soluções para os desafios de hoje, atendendo às realidades mutáveis do desenvolvimento do século XXI. Para tal, estuda e investe na inovação e em soluções que acelerem o progresso em direcção aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável.

Icon of SDG 09

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue