Figura 01: © Unsplash/Ousa Chea

Tal como alguns outros países da região Subsariana de África, Angola tem um número consideravelmente baixo de pesquisadores a contribuir para estudos, em vários campos científicos se comparados aos dados globais. Esta questão que é partilhada em algumas outras partes do continente, reflecte  fragmentos do sistema de educação conhecidos localmente, porém, na luta pela busca de profissionais, pesquisadores qualificados para ajudar a lidar com esta pandemia, esta crise sem precedentes, o problema apresenta-se em maior magnitude. 

Apesar do perfil demográfico jovem do continente Africano, apenas cerca de 6% dos jovens da região Subsariana estão matriculados no ensino superior,  comparando à média global (26%). Por outra, também lidamos com a questão da escassez de dados no sistema de ensino superior angolano, fazendo da necessidade de investigação científica contínua  um tema amplamente debatido dentro e fora da comunidade académica do país.  

Contudo, a grande ambição e vontade dos jovens em prosperar em todos os aspectos da vida, incluindo, os estudos, tem sido fundamental para a maneira como eles (no sistema  de ensino, e não só) decidem encarar os desafios mais complexos da sociedade e numa altura como esta: a pandemia. Sendo assim, será que podemos recapitular  o que aconteceu nos últimos tempos?  À escala global, a COVID 19 tem vindo a afectar todos os domínios da humanidade e Angola não é excepção. Com o país ainda com restrições parciais e com o número de casos positivos de COVID 19 a aumentar diariamente,  a adaptação ao novo normal tem sido um aprendizado.  O ensino à distância, por exemplo, para a não interrupção dos estudos, tem sido globalmente usado e poderia ser uma alternativa para Angola, para substituir o ensino  presencial em sala de aula.   

 Infelizmente, neste momento, as universidades locais têm tido certas dificuldades  para oferecer esta alternativa, pois não possuem os equipamentos necessários para praticar o ensino à distância e, há ainda a questão da legislação que credencia o ensino e a avaliação online em processo. Porém, não obstante estes aspectos, felizmente outros avanços estão a ser desenvolvidos por pesquisadores nacionais (incluindo estudantes universitários e recém graduados), para que a comunidade científica possa impulsionar e melhorar o cenário actual, evitando consequências mais devastadoras.  

Figura 02: © Unsplash/CDC

 Felizmente, as boas notícias e acções não têm parado por aí. O Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação (MESCTI) lançou recentemente, em parceria com a União Europeia, a UNI.AO, uma oferta que está fortemente focada no investimento, na promoção e na melhoria da capacidade nacional da investigação científica, permitindo às universidades não só aumentar o grau de especialização, a igualdade de acesso e o reconhecimento das instituições de pós-graduação, mas, sobretudo, ainda que em outra capacidade ou ritmo, cumprir o seu mandato central: formar a juventude angolana. Acordos similares incluem o do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) no financiamento de quase 200 projectos de investigação científica de várias instituições do ensino superior, em Angola, no âmbito do Projecto de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PDCT) do mesmo banco.   

  O trabalho contínuo do MESCTI para melhorar as infraestruturas das instituições de ensino superior, por exemplo, chegou ao Instituto Superior de Tecnologias Agroalimentares de Malange, cuja construção e apetrechamentofoi, então, concluído . A Tecnologia Agrícola (ou AgriTech), por exemplo, tem chamado a atenção nacional não apenas porque investir na agricultura faz parte da diversificação nacional da economia, ou pela sua importância na manutenção e criação de empregos, mas também pela robustez que pode ter a partir da inserção da tecnologia e inovação na optimização dos seus processos. Muitos curiosos, que incluem acadêmicos e não acadêmicos, têm demonstrado interesse pelo assunto e já é possível ver algumas inovações  surgindo aos poucos.  

Por outro lado, é importante ressaltar que mais fundos continuam a ser necessários. Uma maior disponibilidade financeira para as instituições académicas possivelmente permitir-lhes-á realizar mais pesquisas científicas e, consequentemente, teremos a possibilidade de contar com  conhecimento local e expertise que, antes, provavelmente, teria de vir além fronteiras.  

Adicionalmente, embora não  seja um aspecto  totalmente expandido neste artigo, impulsionar pela promoção de questões relacionadas ao  gênero e diversidade de forma contínua mantem-se crucial. Estudos mostram que  27,1% dos investigadores em Angola são mulheres. Contudo, uma actualização dos dados não só ajudaria-nos a avaliar o nosso crescimento (ou não) como também mostraria-nos a recta a seguir em releção ao tema.  Resumidamente, parece que está clara a necessidade de um investimento forte ao campo científico. Dele só,, inúmeras vantagens poderão contadas.  

Este é um artigo de 3 partes. Continue lendo aqui: O que está acontecer? Como a Academia está responder à pandemia da COVID-19?

--- Article text goes here ---

Icon of SDG 03 Icon of SDG 04 Icon of SDG 05 Icon of SDG 09 Icon of SDG 17

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue