undp_ao_inceptionworkshopSara Fernandes e David Elizalde
Os elefantes são espécies que beneficiarão deste projecto. Créditos: RWCP/ Sara Fernandes e David Elizalde

Luanda, 11 de Junho de 2018 - Promover o desenvolvimento sustentável através de esforços para a promoção da conservação do habitat e da vida animal, combate à caça furtiva e ao tráfico de animais selvagens, sobretudo, os que estão em vias de extinção. Com esse enfoque, sob a égide do Ministério do Ambiente através do Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas de Conservação - INBAC foi lançado, na manhã de ontem, em Luanda, o Projecto “Combate ao comércio ilegal de vida selvagem e conflito homem-animal”, com o financiamento do Fundo Mundial para o Ambiente (GEF) e implementado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O encontro reuniu representantes dos diferentes Departamentos do Ministério do Ambiente, da Procuradoria Geral da República de Angola, , representantes da Comissão Interministerial Contra Crimes Ambientais da Fauna e Flora Selvagem,  Programa Presidencial de Conservação da Palanca Negra Gigante, , International Conservation Caucus Foundation e diversas ONGs.

No seu discurso de abertura do lançamento do Projecto, a Ministra do Ambiente, Paula Francisco realçou que “O Inception Workshop servirá para melhorar o Documento do Projeto (PRODOC) e honrar o compromisso sobre o futuro com a biodiversidade, com o planeta e com as sociedades vindouras. Este Projeto, cremos que hoje e não só deve contribuir para a prevenção das extinções das espécies terrestres através do combate do comércio ilegal da vida selvagem mais também para a redução do conflito Homem Animal no país. Este desafio só será possível se trabalharmos em parceria, unidos e de forma integrada com diferentes sinergias através de conhecimentos técnicos e científicos, com a intervenção de parceiros Nacionais e Internacionais que poiam o Governo Angolano na promoção de políticas certeiras capazes de fazer face aos desafios globais actuais como a caça furtiva, o comércio  ilegal e sobre a exploração das espécies chaves ou vulneráveis assim como a degradação dos ecossistemas”.

Por sua vez, Henrik Larsen, Director do PNUD em Angola, frisou que “várias espécies estão ameaçadas de extinção no país devido a caça furtiva para a extração de marfim ou carne de caça, a perda do habitat com o desmatamento e alteração de paisagens e o abate de animais em retaliação à destruição de infraestruturas ou plantações. Reiterou que o projecto em epígrafe, será liderado pelo Ministério do Ambiente e apoiado tecnicamente pelo PNUD, e conta com o financiamento de 4,1 milhões de dólares doados pelo Fundo Global para o Ambiente..”

A realização deste workshop de lançamento teve como objectivo a Introdução ao Projecto e seus Desafios para o Desenvolvimento, a Discussão dos Resultados Esperados, as Actividades Preliminares, Intervenções Propostas, Indicadores e Parceiros, bem como o processo de Seguimento e Avaliação.

Durante o  encontro foram apresentados e discutidos, os seguintes temas: i) o processo de envolvimento das comunidades locais nas áreas do projecto em relação à vida selvagem, habitat e gestão das Áreas de Conservação; ii) as áreas propostas no projecto: discussão e processo de selecção-resumo das soluções propostas, iii) as ameaças directas e barreiras que o projecto enfrentará; iv) Conhecimentos adquiridos pelo projecto através de estratégia de género e M&A participatórios usados para combater a caça furtiva e o Comércio ilegal de vida selvagem nacional e internacionalmente; v) Processo de consulta às partes interessadas e procedimentos do GEF, incluindo o estímulo à colaboração para o desenvolvimento do projecto.

Discurso proferido pelo Director do PNUD em Angola, Henrik Fredborg Larsen

Assista o vídeo para aceder o vídeo sobre o Projeto Iona implementado pelo MINAMB, PNUD em Angola e outros parceiros que ilustra um pouco da riqueza natural e cultural do belo Parque Nacional do Iona:https://www.youtube.com/watch?v=K6EChGL8Djs

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue