ONU alerta que é a prática nefasta constitui uma “violação da ética médica.”Unicef/ Nesbitt

No Dia Internacional da Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina, marcado a 6 de fevereiro, a ONU reafirma o seu compromisso em acabar com esta “violação dos direitos humanos.” Três agências da organização apelam que seja evitado que dezenas de milhões de meninas sejam mutiladas até 2030.

As Nações Unidas estimam que pelo menos 200 milhões de meninas e mulheres tenham sido vítimas de Mutilação Genital Feminina, MGF, e que a cada ano há quase 4 milhões de meninas a mais em risco.

A organização enfatiza que estas foram vítimas de “um dos atos mais desumanos de violência baseada em género no mundo.”

Em mensagem especial, o secretário-geral da ONU, António Guterres, destaca que a MGF “está enraizada nas desigualdades de género e nos desequilíbrios de poder” e, por sua vez, contribui para mantê-las, porque limita as oportunidades de mulheres e meninas de realizar seus direitos e seu pleno potencial.”

Consequências

Tambem a diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a População, Natália Kanem, a diretora executiva do Fundo da ONU para a Infância, Henrietta Fore, e a diretora executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka emitiram uma mensagem conjunta.

As chefes das agências lembram que “este esforço é especialmente crítico porque a mutilação genital feminina leva a consequências físicas, psicológicas e sociais a longo prazo.”

As representantes alertam para o facto de a MGF ser uma “violação dos direitos das mulheres à saúde sexual e reprodutiva, integridade física, não-discriminação e liberdade de tratamento cruel ou degradante.”

Na mesma nota, é também explicado como a prática nefasta constitui uma “violação da ética médica.”

Casamentos

Para a ONU, esta MGF é uma forma de “violência baseada no género”, por isso, “não deve ser abordada isoladamente de outras formas de violência contra mulheres e meninas, ou outras práticas prejudiciais, como casamentos precoces e forçados.”

A organização considera que para acabar com a mutilação genital feminina, é necessário “atacar as causas profundas da desigualdade de género e trabalhar em prol do empoderamento social e económico das mulheres.”

Em 2015, líderes mundiais apoiaram a eliminação da mutilação genital feminina como uma das metas da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Para as responsáveis, alcançar a meta só será possível se forem implementadas políticas ao nível nacional e regional.

Realidade

Segundo elas, são necessárias, ao nível nacional, “novas políticas e legislação que protejam os direitos de meninas e mulheres de viver livres de violência e discriminação.” Para tal, os governos dos países onde a MGF é uma realidade devem “desenvolver planos de ação nacionais” para acabar com a prática.

Ao nível regional, as instituições e as comunidades económicas devem trabalhar em conjunto, impedindo o movimento de meninas e mulheres através das fronteiras quando o objetivo é levá-las a países com leis menos restritivas.

A ONU defende ainda que a questão também deve ser abordada do ponto de vista religioso, com os líderes religiosos a combaterem os mitos de que a mutilação genital feminina é justificada com princípios religiosos.

Para a organização, as promessas públicas de abandonar a MGF são um modelo eficaz de compromisso coletivo e devem ser combinadas com estratégias abrangentes para desafiar normas sociais, práticas e comportamentos que apoiam a MGF.

Fonte: https://news.un.org/pt/story/2019/02/1658551

 

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue