Os elefantes continuam a ser o alvo principal dos caçadores furtivos nacionais e estrangeiros. ©Nicolau Vasco, Edições Novembro|Menongue

Luanda, 08 de Agosto de 2018 - Sob a liderança do Ministério do Ambiente (MINAMB), decorreu no Hotel Diamante em Luanda, um workshop de avaliação da estrutura dos Indicadores do Consórcio Internacional de Combate a Crimes contra a Vida Selvagem e Florestas.

A sessão de abertura foi presidida pelo Dr. Carlos Alberto Ferreira Pinto, Provedor de Justiça da República de Angola, ladeado pela Ministra do Ambiente, Dra. Paula Cristina Francisco Coelho, e pelo Coordenador Residente do Sistema da ONU e Representante do PNUD em Angola, Dr. Paolo Balladelli. No evento estavam também presentes representantes do Ministério da Agricultura e Florestas, do Ministério da Justiça, dos diferentes departamentos do MINAMB, do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), do PNUD, entre outros.

No acto da abertura do workshop de avaliação da estrutura dos Indicadores do Consórcio Internacional de Combate a Crimes dos recursos florestais e faunísticos, o Provedor de Justiça frisou que no período 2016-2017 foram inventariadas 2.120 peças de marfim correspondentes a mais de uma tonelada, apreendidas no aeroporto internacional. O Dr. Carlos Pinto afirmou que Angola continua a ser utilizada como país de trânsito destes materiais.

Por seu lado, o Dr. Paolo Balladelli, referiu que os crimes contra a vida selvagem constam hoje entre as formas mais preocupantes de crimes internacionais, devido às grandes quantidades de dinheiro envolvidas, às ligações com outras formas de crimes internacionais, e ao impacto sobre a vida selvagem que pode implicar a extinção das espécies generosas de fauna e flora. O Coordenador Residente mostrou, no entanto, a sua satisfação pela formação destas parcerias interinstitucionais e internacionais, como é exemplo o workshop realizado entre o Governo de Angola, o ICCWC, o UNDOC e o PNUD, e frisou a importância do trabalho conjunto para combater o crime e proteger o património angolano.

Deste evento, extrair-se-ão resultados que serão utilizados no desenvolvimento do Projecto Combate ao Comércio Ilegal de Vida Selvagem e Conflito Homem-Animal em Angola; Informações preliminares e padronizadas às linhas de base para acções e apoio ao Governo Angolano pelo UNODC, Interpol e CITES entre outros parceiros. De igual modo, os resultados deste indicador servirão para conduzir a realização e a implementação de ferramentas para análise de crimes contra a vida selvagem.

De realçar que o evento, demonstra as acções do Governo Angolano no alcance da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, constituída por 17 objectivos, desdobrados em 169 metas  (ODS 15 - Proteger, restaurar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação e travar e reverter a degradação da terra e travar a perda de biodiversidade melhorando a eficácia global da gestão das áreas terrestres protegidas de Angola; ODS 16 - Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis ​​e inclusivas em todos os níveis).

Intervenção do Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas em Angola e Representante do PNUD, Dr. Paolo Balladelli

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue