--- Image caption ---

Luanda, 7 de Junho de 2018 - Numa parceria entre o Ministério de Energias e Aguas e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), através de recursos financeiros do Fundo Mundial para o Ambiente (GEF), teve inicio esta manhã a Iª Reunião do Comité Regional do Projecto para a Bacia do Rio Cubango-Okavango, com Comissários e representantes de Angola, Botswana e Namíbia.

Os objectivos da reunião consistem em analisar os progressos realizados nos diferentes Países atravessados pelo Rio Okabango, bem como para a OKACOM discutir e planear o apoio central do PNUD à comissão intergovernamental, de acordo com os mecanismos da subregião que nos próximos cinco anos contribuirá para a erradicação da pobreza, através da implementação de acções concretas de bem-estar para as suas populações.

"Esta parceria é estratégica porque contribuirá para a Agenda de Desenvolvimento 2030, em particular, a implementação deste projecto permitirá realizar contribuições substanciais para alcançar o ODS 1, da erradicação da pobreza; ODS 6, gestão sustentável da água e saneamento; ODS 15, da vida sobre a terra; do ODS 13, da acção contra a mudança climática; ODS 17, das parcerias, beneficiando as gerações actuais e vindouras. Esta é uma convicção que todos partilhamos" concluiu o alto funcionário da ONU em Angola.

Durante a sessão de abertura o Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas em Angola e Representante do PNUD, Paolo Balladelli afirmou que “este encontro, constitui uma oportunidade de desenvolvimento  dos três países, onde os recursos hídricos são a componente primária e essencial, que permitirá o desenvolvimento sustentável das suas populações, se continuarmos a trabalhar em conjunto para que os recursos hídricos sejam aproveitados, permitindo assim a criação de condições de sustentabilidade para cada um dos três países”.

Por seu lado, o Director do PNUD em Angola, Henrik Fredborg Larsen, realçou a importância da colaboração com a OKACOM, como um exemplo global e a apreciação positiva da parceria e do papel do PNUD no apoio aos esforços. Encorajou os Comissários dos três países e todos os outros parceiros a continuarem o diálogo aberto e franco para assegurar que a assistência do PNUD seja efectivamente assistente da OKACOM na consecução dos seus objectivos.

Nos objetivos, tente reduzir um pouco os problemas chatos do plano de trabalho, orçamento, etc. e diga, por exemplo, "Para a OKACOM discutir e planear o apoio central do PNUD à comissão intergovernamental

Do ponto de vista estratégico é importante realçar que, através do Programa de Acção Estratégica, outros parceiros-chave estão actualmente envolvidos no desenvolvimento da Bacia do Okavango e contribuem para a implementação de acções relevantes, por exemplo, a União Europeia, o Banco Mundial, a USAID, o GIZ, DfID/CRIDF, o Banco Mundial, National Geographic, Wild Bird Trust, the Nature Conservancy, que por sua vez, são resultados dos esforços da OKACOM.

Recorde-se que este projecto regional financiado pelo GEF já permitiu realizar uma Análise de Diagnóstico Transfronteiriço da Bacia do rio Cubango-Okavango, o Programa de Acção Estratégica e três Planos de Acção Nacionais. Igualmente, fazem parte desta iniciativa, áreas demonstrativas da efectividade de empreendimento a nível comunitário nos seguintes sectores: 1. Conservação agrícola para melhorar a segurança alimentar ao nível das comunidades; 2. Turismo baseado nas comunidades que permitirá benefícios e conservação de áreas protegidas; 3. Co-gestão das comunidades ribeirinhas na área de pescas.

Leia na íntegra o discurso proferido pelo Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas em Angola e Representante do PNUD, Paolo Ballladelli

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

A ex-República jugoslava da Macedônia Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Suazilândia Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue