© UN DESA

O Relatório de Objectivos de Desenvolvimento Sustentável mostra que as mudanças climáticas e a desigualdade ameaçam a realização da Agenda 2030.

Nova Yorque, 9 de Julho de 2019 - O mundo precisa redobrar seus esforços para alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, de acordo com um Relatório das Nações Unidas sobre os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) lançado hoje.

Lançado no primeiro dia do Fórum Político de Alto Nível, a decorrer em Nova Yorque de 9 a 18 de Julho, o relatório levanta a bandeira vermelha de que, apesar das conquistas alcançadas, o mundo deve ajustar o ritmo e o caminho dos esforços actuais.

“Enquanto estamos a fazer progressos notáveis ​​para alcançar todos os 17 ODS até o ano 2030, o Relatório de Objectivos de Desenvolvimento Sustentável divulgado hoje claramente destaca que ainda enfrentamos diversos desafios para acelerar a realização dos Objectivos”, disse Achim Steiner, o Administrador. do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). “As metas que os países estabeleceram são ambiciosas e abrangentes - incluem a redução da pobreza; as acções abrangentes que precisamos tomar para combater as mudanças climáticas; bem como os esforços crescentes que são necessários para proteger a biodiversidade do nosso planeta. ”

Os resultados do relatório mostram que a taxa de pobreza extrema está a diminuir de 36% em 1990 para 8,6% em 2018. No entanto, a velocidade da redução da pobreza está estagnada. A desigualdade de género também é persistente, pois mulheres e meninas continuam sendo excluídas da política, da educação e das oportunidades económicas.

É necessária uma acção drástica para mitigar a realidade da mudança climática. O Acordo de Paris é um passo, com os países destacando suas contribuições nacionais para o corte de gases de efeito estufa. O relatório mostra que 2018 foi registrado como o ano mais quente, enquanto os níveis de dióxido de carbono continuam a subir, desencadeando uma reacção em cadeia da acidificação oceânica, aumentos mais frequentes do clima extremo e do nível do mar, entre outros sintomas.

O relatório destaca também notícias encorajadoras. O mundo está avançando no acesso à energia e o relatório mostra que aproximadamente nove em cada dez pessoas têm acesso à eletricidade, da qual as tecnologias renováveis ​​desempenham um papel cada vez mais positivo.

A perda geral de biodiversidade está diminuindo, mas ainda é frágil. O ritmo da desflorestação diminuiu em 25% e o financiamento para protecção e gestão florestal aumentou. No entanto, devemos ser diligentes para evitar a extinção de um milhão de espécies em risco e impedir qualquer degradação adicional da terra.

Como co-presidente da Equipa de Trabalho para o Fórum Político de Alto Nível na área de Assuntos Económicos e Sociais, o PNUD auxiliou na pesquisa e redação deste relatório.

As conclusões do relatório serão melhor exploradas na Cimeira dos ODS, em Setembro de 2019, onde os Chefes de Estado se reunirão para avaliar plenamente o progresso e as formas de acelerar o progresso dos Objectivos.

Esta Cimeira será a primeira desse tipo desde a adopção dos ODS em 2015.

Sobre o PNUD

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) trabalha em cerca de 170 países para eliminar a pobreza e ajudou a melhorar a vida de bilhões de pessoas. Somos parceiros de governos, comunidades, empresas e indivíduos para criar um mundo onde todas as pessoas prosperem e o planeta seja protegido contra os danos. O PNUD se uniu aos países em todo o mundo para ajudá-los a alcançar os 17 novos Objectivos Globais para acabar com a pobreza, reduzir a desigualdade e enfrentar os efeitos das mudanças climáticas até 2030.

Relatório sobre os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável 2019 na versão inglesa

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD Angola 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue