Com a ONU, jogadora Marta celebra Dia Internacional do Desporto para Desenvolvimento e Paz

Apr 6, 2018

Neste 6 de Abril, a ONU comemora o Dia Internacional do Desporto para Desenvolvimento e Paz. As Nações Unidas lembram que os desportos são um direito fundamental de todos, com o poder de promover integração social, desenvolvimento econômico e ideais de paz e solidariedade.

Um exemplo claro deste poder do desporto é a trajetória da jogadora da Seleção Brasileira de Futebol Feminino, Marta Vieira da Silva, também atleta do time americano Orlando Pride.

Evitar violência

O futebol faz parte da vida dela desde a infância na cidade de Dois Riachos, em Alagoas. Em entrevista à ONU News direto de La Serena, no Chile, onde participa da Copa América Feminina, Marta destacou como o desporto pode transformar vidas.

“O desporto em si é uma ferramenta muito rica em todos os sentidos, especialmente para que a gente possa desviar os jovens, os adolescentes, do caminho errado. O desporto é saúde, é educação, é cultura, é igualdade de gênero. Quando eu comecei, eu comecei pensando em de alguma maneira ajudar a minha família, pois era o único recurso que eu tinha e que eu sabia que eu fazia bem.”

Menos preconceito

Embaixadora do Programa da ONU para o Desenvolvimento, PNUD, ela já participou de várias campanhas humanitárias, promovendo o direito de mulheres em Serra Leoa e defendendo o fim da violência de gênero.

Eleita pela Fifa como a melhor jogadora de futebol do mundo por cinco vezes, Marta garante que o preconceito contra as mulheres no campo está a diminuir.

“Lógico que não chegou num nível que a gente espera, mas a gente vê uma diferença absurda. Na minha infância, quando eu jogava lá em Dois Riachos, nenhuma menina se atrevia a jogar porque era uma discriminação muito grande. E hoje o futebol é praticado por todas lá na cidade. E foi realmente através da nossa história, alguém tinha que começar e tinha que encarar isso, para mudar a realidade. Então se eu não tivesse começado, até hoje as pessoas iam achar que o futebol era algo totalmente voltado para o mundo masculino e hoje já não é mais.”

Para Marta, entrar em campo não significa apenas “jogar e vencer, mas fazer várias pessoas felizes e interagir com gente do mundo inteiro”, levando “esperança de um futuro melhor”.

Apresentação: Leda Letra.