Abertura do ano agrícola 2017-2018: ONU integra a primeira visita do Presidente João Lourenço a uma província do País

Oct 11, 2017

Huambo, 11 de Outubro de 2017. Na presença de milhares de pessoas, o Presidente João Lourenço visitou ontem a Província de Huambo, Município do Cachiungo, onde  se encontrou com a população e as comunidades locais, que participaram em massa para assistir ao lançamento do ano agrícola 2017-2018.

Estiveram no evento juntamente com o Presidente da República, João Lourenço, o Ministro de Agricultura e Florestas, Marcos Alexandre Nhunga, com vários outros membros do Executivo Angolano, vários Governadores Provinciais, o Coordenador Residente das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola, Paolo Balladelli, o representante da FAO, Mamadou Diallo e o representante em exercício do BAD, Joel Muzima, bem como fizeram parte Empresários, representantes dos lideres religosos, Autoridades tradicionais e representantes do Corpo Diplomático.

“A primeira prioridade numa família é dar alimentos aos filhos, o combate à fome é uma tarefa primária” declarou o Presidente Lourenço. Na sua declaração sublinhou entre as acções necessárias o desenvolvimento da produção agrícola em todo o país, através do investimento e concepções de microcréditos, que permitarão às famílias aumentar as suas capacidades produtivas e de renda para que se constituam  de  pequenas empresas, que por sua vez possibilitam a compra de sementes de qualidade, experimentação de novas culturas e o acesso às ferramentas agrícolas e aos sistemas de irrigação. Estes factores são fundamentais e principais ingredientes de sucesso. Na sua alocução, João Lourenço indicou que o Estado Angolano poderá, a curto prazo retirar a concessão de terras aos proprietários agrícolas que não exploram as terras, e serão entregues às famílias que querem utilizá-la para a produção e permitir que esse activo seja um factor impulsionador da diversificação da economia nacional.

De salientar que a mecanização do agricultura, tarefa na qual participa o BAD, vai ser decisiva para uma aceleração da economia agrícola. Além disso,  a profissionalização de técnicos e a capacitação  das famílias nas áreas técnicas de cultivo da terra é realizada com qualidade pela FAO, visando à extensão das terras cultivadas.

Recorde-se que o PNUD está facilitando projectos agrícolas e pesqueiros pilotos para a implementação da cadeia de valores que inclui a comercialização dos produtos no mercado nacional, e que poderiam no futuro também ser dirigidos para a exportação com vista a diversificação económica e a sua efectivação. O Banco Mundial e outros parceiros internacionais como a União Europeia e vários países estão colaborando para apoiar o país na aceleração da produtivididade do sector agrícola de maneira a atingir os resultados da Agenda 2030 e da Graduação do país, como a diminuição da pobreza e da fome, assim como das vulnerabilidades económicas do país.