Universidades em Luanda são oportunidades de discussão sobre o Relatório de Desenvolvimento Humano Mundial 2016 elaborado pelo PNUD

Jun 15, 2017

Luanda, 15 de Junho de 2017 – A cidade de Luanda acolheu de 13 a 15 de Junho, a realização de um Ciclo de Conferências sobre o Relatório de Desenvolvimento Humano 2016: “Desenvolvimento Humano para Todos” , organizado pelo Programa das Nacoes Unidas para o Desenvovlimento (PNUD) em parceria com a Reitoria das Universidades: Lusíadas, Agostinho Neto e Óscar Ribas. Estes eventos, contaram com a presença do Alto Corpo Directivo das referidas Universidades, do Coordenador da ONU e Representante Residente do PNUD, Paolo Balladelli, do Director do PNUD em Angola,  Henrik Fredborg Larsen, Investigadores, Estudantes, representantes das entidades ligadas às Academias e Instituições de Investigação, entre outros convidados.

Recorde-se que, a apresentação oficial do Relatório, teve lugar no dia 27 de Abril e contou com a presença de altos membros do Executivo Angolano, representantes das Agências das Nações Unidas, Corpo Diplomático, Sociedade Civil, entre outros. Com este exercício, o Escritório do PNUD em Angola pretende envolver a participação de todos os actores sociais e políticos na apresentação e análise do Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2016.

Na sessão realizada na Universidade Agostinho Neto, o Coordenador da ONU e Representante Residente do PNUD em Angola, Paolo Balladelli, afirmou que “este relatório observa que o desenvolvimento humano para todos é alcançável e igualmente possível, não deixar ninguem excluído. O que a humanidade conseguiu ao longo dos ultimos 25 anos dá esperança de que são realizáveis as mudanças fundamentais”.

Ainda no seu discurso, o alto funcionário da ONU, aproveitou para  felicitar Angola pelos progressos em áreas importantes e realçou que o Index de Desenvolvimento Humano (IDH) aumentou de 0.391 em 2000 à 0.533 em 2015, há mais espaço político para a mulher, o ensino primário melhorou assim como também diminuiu a mortalidade infantil.  Por isso, sublinha que “para assegurar o progresso da população angolana e para consolidar a liderança de Angola ao nível internacional, estamos confiantes de que o país vai escolher políticas públicas para desenvolvimento da sua população e produzir dinâmicas com equidade na distribuição das rendas que permitam profundar os programas de luta contra a pobreza, a fome, e a desigualdade, abrindo espaços de participação da sociedade civil em processos nacionais chave.”

De salientar que Glenda Gallardo, Conselheira Económica Sénior do PNUD, conjuntamente com José Felix, Coordenador da Unidade Técnica de Crescimento Inclusivo e Desenvolvimento Sustentável, lideraram as apresentações dos principais temas do Relatório Mundial de Desenvolvimento Humano 2016, nas três Universidades referidas.

A realização destes eventos, vem na sequência de várias iniciativas que o Programa das Nações Unidas em Angola tem levado a cabo visando a implementação do roteiro do processo de graduação de Angola da categoria dos  Países Menos Avançados (PMAs), a  integração da Agenda 2030 e dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)  com o Plano Nacional de Desenvolvimento  . Esta nova agenda global traz uma premissa e um princípio inspirador que é ‘não deixar ninguém para trás’, o que interpela necessariamente a integração das três dimensões do desenvolvimento humano- económico, social e, agora acrescentado pela dimensão ambiental – para torná-lo sustentável.

Discurso proferido pelo Coordenador da ONU e Representante Residente do PNUD, na Universidade Agostinho Neto