Angola lança estratégia sobre o Dividendo Demográfico

Jun 8, 2017

Luanda, 8 de Junho de 2017.  Celebrou-se na manhã desta quarta-feira a apresentação da estratégia angolana para o chamado “Dividendo Demográfico”, num evento organizado pelo Ministério da Juventude e Desporto, com apoio do Fundo das Nações Unidas da População (FNUAP). Esta estratégia foi sugerida pela União Africana no contexto da implementação da Agenda Africana 2063, e é considerada um importante factor de materialização dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Os quatro pilares da estratégia são: emprego e empreendedorismo; educação e desenvolvimento de habilidades; saúde e bem-estar; direito, governação e empoderamento dos jovens.

O Dividendo Demográfico demonstra a existência, na população africana – incluindo a angolana – de uma grande proporção de jovens, com consequente aumento da população económicamente activa. Na África, a população jovem – de 10 a 24 anos –  foi de 1.2 milhões no ano de 2015, já com uma projecção a 1.7 milhões em 2017. Em Angola, segundo o Censo nacional de 2014, 65% da população nacional têm menos de 65 anos.

Entre outras causas, a grande proporção de jovens adultos é resultado do controle demográfico e da diminuição da mortalidade materna. Além disso, evidencia-se na população africana, bem como na angolana, uma diminuição do número de crianças e um aumento da população juvenil adulta. Tal particularidade do continente abre grandes possibilidades para incremento da produtividades, das receitas fiscais e, por extensão, dos níveis de bem-estar da população, caso haja investimento adequado.  

O seminário de apresentação foi presidido pelo Ministro da Juventude e Desporto, Albino da Conceição José, ladeado pelo Secretário de Estado do Planeamento, Pedro Luís da Fonseca, o Coordenador Residente da ONU, Paolo Balladelli, a representante do FNUAP, Florbela Fernandes, e a Vice-presidente do Conselho Nacional da Juventude. Também estiveram presentes o representante da UNICEF e a Directora da ONUSIDA, assim como vários secretários de Estado do Executivo, parlamentares e membros da sociedade civil.

O apoio aos jovens do país foi defendido por todos os presentes, como forma de gerar estabilidade social e política. “Políticas económicas dirigidas a aumentar postos de trabalho são determinantes. Em particular, é preciso adaptar o sistema educacional às necessidades e oportunidades do mercado de trabalho e reduzir as disparidades de género na educação, de modo a permitir a aceleração do desenvolvimento sustentável e equitativo do País”, declarou o Alto Representante das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli.