Relatório Mundial do PNUD sobre o Desenvolvimento Humano 2016 apresentado em Luanda

Apr 27, 2017

Luanda, 27 de Abril de 2017 - Na sequência do lançamento a nível mundial,  ocorrido na Cidade de Estocolmo no dia 21 de Março de 2017, o Escritório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Angola em parceria com o Ministério do Planeamento e Desenvolvimento Territorial, apresentou hoje na Sala de Conferencias do ENAD, o Relatório Mundial de Desenvolvimento do Humano 2016, cujo tema é  “Desenvolvimento Humano para todos”.

Na cerimónia de abertura presidida por Sua Excelência, Secretário de Estado do Planeamento e Desenvolvimento Territorial, Pedro Luís da Fonseca, o Representante Residente do PNUD em Angola, Paolo Balladelli, reconheceu que o IDH aumentou de 0.391 em ano 2000 a 0.533 em 2015, bem como os progressos alcançados pelo país em matéria de oportunidades para as mulheres, mais acesso à educação, principalmente no nível primário, expansão  do acesso as telecomunicações e telefonia móvel , mas ao mesmo tempo realçou que ainda há desafios na saúde materna, educação, emprego sobre os quais é preciso continuar a trabalhar para fortalecer o sistema. Daí sublinhar que “Não há dúvida nenhuma que para atingir o “Desenvolvimento Humano para Todos” precisamos do compromisso e da acção de todos os parceiros.

O Representante Residente do PNUD em Angola, frisou ainda que “O desenvolvimento humano para todos não é um sonho, é uma meta atingível com dedicação, profissionalismo e integridade.  a ONU em geral e o PNUD em particular, estamos juntos para apoiar Angola no desafio de criar as bases para o desenvolvimento inclusivo, que é a base da paz e segurança. Sabemos que Angola está a fazer esforços e dar passos para melhorar o seu nível de desenvolvimento humano, juntamente com o processo de diversificação económica.  Agora, o Processo de Graduação e a Agenda 2030 oferecem uma plataforma nacional alinhada com o nível global para não deixar ninguém para trás no desenvolvimento”.

“Para prosperar internamente e consolidar a sua liderança no nível internacional, estamos confiantes de que Angola vai consolidar politicas publicas para desenvolvimento da sua população e produzir dinâmicas com equidade na distribuição das rendas que permitam profundar os programas de luta contra a pobreza, a fome, e a desigualdade, abrindo espaços de participação da sociedade civil em processos nacionais chave” destacou Paolo Balladelli.

Salienta-se que o Director do PNUD em Angola, Henrik Fredborg Larsen, liderou a equipa de apresentação do principais temas do Relatório Mundial de Desenvolvimento Humano 2016, composta pelos  seguintes oradores: Jose Felix, Coordenador da Unidade Técnica de Crescimento Inclusivo e Desenvolvimento Sustentável, Alves da Rocha, Director do Centro de Estudos e Investigação Científica e Coordenador do Departamento de Estudos Económicos da Universidade Católica, Milton Reis, Director de Planeamento do Ministério do Planeamento e Desenvolvimento Territorial, que contou com a moderação de Glenda Gallardo, Conselheira Económica Sénior do PNUD.

O Relatório destaca que a abordagem do Desenvolvimento Humano e da Agenda 2030 têm três pontos comuns: 1) Ambos apontam ao reforço das liberdades de cada ser humano, concentrando-se não deixando ninguém para trás; 2)  Ambos compartilham as mesmas áreas-chave de erradicar a pobreza extrema, a reducção da desigualdade, acabar com a fome, garantir a igualdade de género e assim por diante; e 3) Ambos têm a sustentabilidade como princípio central.

O documento traz este ano uma reflexão sobre o último quarto de século, em que o mundo mudou – e com ele os cenarios do desenvolvimento. Novos países emergiram e o nosso planeta tem hoje mais de 7 mil milhões de pessoas, e 1.8 bilhões são jovens com idade entre 10 e 24 anos.  O Relatório defende ainda que o cenário geopolítico também mudou, com os países em desenvolvimento emergindo como força económica e poder político. A globalização integrou pessoas, mercados e trabalho, e a revolução digital mudou as vidas dos individuos e das sociedades.

O Relatório de 2016 transmite cinco mensagens básicas: i) O universalismo é a chave para o desenvolvimento humano, e o desenvolvimento humano para todos é atingível; ii) Vários grupos de pessoas ainda sofrem privações básicas e enfrentam barreiras substanciais para superá-las; iii) O desenvolvimento humano para todos exige a reorientação de algumas questões analíticas e perspectivas de avaliação; iv) Existem opções políticas que, se implementadas, contribuirão para alcançar o desenvolvimento humano para todos; v) Uma governação global reformada, com um multilateralismo mais justo, ajudará a alcançar o desenvolvimento humano para todos.

 

Discurso proferido pelo Representante Residente do PNUD em Angola

Resumo do Relatório do Desenvolvimento Humano 2016 (Versão Portuguesa)

Resumo do Relatório do Desenvolvimento Humano 2016 (Versão Inglesa)

Apresentação da Equipa do PNUD Angola