Especialistas nacionais e provinciais do MINSA discutem com os parceiros a reforma do sector da saúde em Angola

Jan 11, 2017

Luanda, 11 de Janeiro de 2017 -  A abertura do XXVII Conselho Consultivo do Ministério da Saúde foi presidida pelo Ministro da Saúde, Luís Sambo, o Coordenador das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, a Vice-Governadora da Província de Luanda, Jovelina Imperial o Secretário de Estado do MAT e o Bastonário da Ordem dos Médicos. Durante os três dias de desenvolvimento do Conselho Consultivo, que contou com a participação de outras entidades do Excutivo Angolano, representantes das Agências das Nações Unidas nomeadamente da OMS, da UNICEF e da ONUSIDA, representantes do sector privado e da sociedade civil, estiveram em análise a reforma do sector, a planificação nos vários níveis do sistema de salude, a municipalização dos serviços de saúde, as funções do delegado municipal de saúde, entre outros temas. Salienta-se que esta oportunidade serviu também para analisar o tema da vigilância epidemiológica, num contexto de identificação recente de surtos de cólera e casos de zika no país.

O Ministro da Saúde, Luís Sambo, apelou “a humanização da atenção médica para a construção de atitudes qualitativas dos profissionais da Saúde no atendimento aos doentes”.

Por seu lado, o Coordenador das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, ressaltou que ‘com os resultados positivos da diminuição da mortalidade infantil e materna evidenciada pelo inquérito de indicadores múltiplos, demonstrando que o estado angolano está engajado nas respostas aos desafios que se colocam numa fase de graduação do país e de implementação dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentáveis’.

Refira-se que com a graduação de Angola para País de Rendimento Médio e a implementação da Agenda Global 2030, mais ênfase é dada ao fortalecimento do sistema nacional de saúde, como motor de desenvolvimento económico e social.

Assim, coloca-se uma grande demanda, ao mais alto nível, para uma forte de coordenação, com abordagens multissectoriais que envolvem o Executivo Angolano e a ONU. A OMS, UNICEF,  ONUSIDA, FNUAP, PNUD, BM, Cooperações bilaterais e Organizações da Sociedade Civil, entre outros parceiros, estarão a trabalhar de forma efectiva com o Minstério da Saúde para atingir resultados satisfatórios, com a tomada de medidas cautelares e profiláticas, com vista o controlo das epidemias da cólera e zika em Angola.