Mensagem do Secretário-Geral no Dia Internacional para a Redução de Desastres, 13 de Outubro de 2016

Oct 13, 2016

Tema de 2016: Viver para contar: Sensibilização e Redução da Mortalidade

No ano passado, os governos adoptaram o Quadro Sendai para a Redução de Riscos e Desastres e incorporaram os seus objectivos na Agenda de Desenvolvimento de 2030. Hoje, lançamos a "Campanha Sendai Sete: Sete alvos, Sete Anos", que destaca como todos nós podemos contribuir para a redução das perdas por desastres. A meta deste ano é reduzir a perda de vidas.

Podemos substituir os bens materiais, mas não podemos substituir as pessoas. Eu estou constantemente chocado com a forma como muitas pessoas morrem em desastres. A maioria das vítimas são, invariavelmente, pessoas pobres e vulneráveis.

Hoje, centenas de milhões de pessoas vivem em risco devido a subida do nível dos mares, terramotos, secas, ondas de calor, inundações e tempestades. Muitas pessoas vivem em terras marginais, nas  encostas instáveis ​​ou em zonas costeiras expostas à tempestade. É por isso que erradicar a pobreza extrema - o primeiro dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, é essencial para a redução de riscos e desastres.

O relatório "Pobreza & Mortes: Mortalidade em Desastres 1996-2015", publicado pelo Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Desastres (UNISDR), reflecte uma situação grave da desigualdade. Os países de alta renda sofrem enormes perdas económicas em desastres, mas as pessoas em países de baixa renda pagam com as suas vidas.

Neste Dia Internacional para a Redução de Desastres, apelo a todos os governos a trabalharem com a sociedade civil e o sector privado, para se engajarem em relação à gestão de catástrofes e gestão de riscos. Vamos passar de uma cultura de reacção, para uma cultura  de prevenção e criar resistência para reduzir as perdas de vidas.