Especialistas nacionais e do PNUD encontram-se reunidos para apresentar e analisar o projecto “Expansão e Fortalecimento do Sistema de Áreas Protegidas em Angola”

Oct 6, 2016

Luanda, 6 de Outubro de 2016 – O Ministério do Ambiente (MINAMB), através do Instituto Nacional de Biodiversidade e Áreas de Conservação (INBAC) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), realizaram hoje o workshop técnico de lançamento do projecto “Expansão e Fortalecimento do Sistema de Áreas Protegidas em Angola”.

A cerimónia de abertura do Workshop foi presidida pela Dra Kâmia de Carvalho, Directora Nacional no Ministério do Ambiente e Ponto Focal do Fundo Global para o Ambiente (GEF), Dr. Abias Huongo, Director Geral do Instituto National de Biodiversidade e Areas de Conservação (INBAC) e Dr. Henrik Larsen, Director do PNUD em Angola, que na sua intervenção referiu que o projecto “enfocando nas áreas protegidas reflecte a alta prioridade que o Governo de Angola e o PNUD colocam no fortalecimento e na expansão das áreas protegidas, como uma ferramenta essencial na conservação da biodiversidade, que será fundamental para a promoção do ecoturismo como uma área económica de grande potencial para o país”.

De referir que este projecto foi concebido como a segunda intervenção financiada pelo GEF e o PNUD para o programa nacional de áreas protegidas em Angola. O GEF disponibilizou a fundo perdido o valor de US$5.800.000 para serem utilizados ao longo de 5 anos em dois grandes temas: (i) fortalecer os quadros legais de planificação e de políticas institucional e financeira para garantir a conservação da biodiversidade e das áreas protegidas; e ii) reabilitar e melhorar a gestão dos Parques Nacionais de Cangandala, Bicuar e Quiçama.

Salienta-se que, a iniciativa também promoverá o desenvolvimento das capacidades nacionais para apoiar e sustentar o esforço de expansão das áreas de conservação. A rede terrestre de áreas protegidas de Angola cobre actualmente 16,2 milhões de hectares, ou 13% da superfície terrestre do país. Um objectivo prioritário do país é fazer com que a representação dos ecossistemas dentro das áreas seja mais equilibrada, de modo que, pelo menos 20 dos 32 tipos de vegetação mapeados no país estejam representados, através da proclamação de novas áreas protegidas.