Seminário Inter-provincial sobre a acção conjunta para os efeitos das secas no sul do País, decorre em Lubango

Sep 19, 2016

Lubango, 19 de Setembro de 2016 - As Nações Unidas em Angola e seus parceiros realizam hoje na Cidade de Lubango o " Seminário Inter-provincial sobre os efeitos das secas no sul do País", que conta com a presença de João Marcelino Tyipinge, Governador da Huila, os Vice-governadores das Províncias de Huila, Cunene e Namibe, Autoridades nacionais da Protecção Civil em representação do Secretário de Estado do Ministério do Interior, Eugénio Laborinho, e delegados dos sectores do executivo, designadamente: o MINPLAN, MAT, MINARS, MINSA, Agricultura, Ambiente, Educação, Energia e Águas, a Promoção da Mulher, o Comercio, bem como Representantes das Agências da ONU – OMS, FNUAP, Director Nacional PNUD, delegados da UNICEF, FAO, do Banco Mundial, representantes de instituições públicas e da sociedade civil, Visão Mundial, ADRA, CUAMM, ADPP,  entre outros.

Na cerimónia de abertura, o Coordenador Residente das Nações Unidas em Angola ressaltou que “As Nações Unidas agradecem o Executivo Angolano e os governos provinciais das três províncias pela estreita colaboração. Os projectos de emergência para responder aos efeitos climáticos do El Nino têm levado, nos últimos 6 meses, a resultados importantes que têm sido possíveis pelo compromisso sério do governo e dos seus parceiros. Recursos financeiros, técnicos e logísticos foram disponibilizados e criou-se uma integração sempre mais eficiente e harmoniosa das acções de programas nacionais, da Sociedade Civil e os das Nações Unidas são características encorajadoras que permitiram atingir estes resultados”.

“Nos últimos 6 meses acções da ONU podem ser avaliados num valor de 7M USD, entre fundos de OCHA e fundos de emergência das Agências da ONU. Através destas acções de emergência, nas três províncias de Cunene, Huila e Namibe, mais de 2900 famílias melhoraram a capacidade técnica de produção agrícola e melhorou-se a saúde animal de cerca 5.000 famílias. Mais de 9800 crianças com malnutrição aguda foram tratadas através da distribuição de suplementos terapêuticos, onde 590 técnicos da saúde foram formados em diagnóstico de malnutrição aguda sem complicações e 220 agentes comunitários aprenderam a identificar crianças em risco. Além disso, cerca de 14.000 pessoas tiveram acesso à água potável através de bombas manuais reabilitadas, 40.000 pessoas vivem agora em comunidades com latrinas, quase 71.000 receberam kits de higiene, 10.300 jovens formados sobre temáticas de saúde e higiene reprodutiva e 2400 receberam kits de higiene pessoal” afirmou o Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas em Angola.

Durante as sessões de trabalho, os participantes estarão a analisar e a discutir os temas como a “A resposta à seca numa visão humanitária, de resiliência e de macro finanças”; “Cenários e respostas  à seca de curto e médio prazo”, “A situação da seca nos países da Africa Austral: ponto da situação geral e de Angola”.

“É por isso – frisou Balladelli – que, complementando as acções de emergência, há que também trabalhar com intervenções de meio e longo termo de adaptação às mudanças climáticas (o Projecto Cuvelai com Ministério de Ambiente é um exemplo certo), e um plano nacional para aumentar a resiliência da população no sul do país, com iniciativas de microcréditos e na área da agropecuária, e com planos de tipo macroeconómico para politicas ‘contra cíclicas’ e para potenciar as redes de protecção social”.

O referido Seminário, realiza-se no âmbito da cooperação técnica entre o Governo de Angola e o Sistema das Nações Unidas em matéria de acções de emergência e aumento da resiliência das  populações afectadas.

Recorde-se que, em Agosto deste ano todos os sectores do Governo, as Nações Unidas: PNUD, FAO, UNICEF, OMS, UNFPA, FNUAP, PAM e mais parceiros do desenvolvimento – UE, Banco Mundial, e ONGs realizaram uma avaliação de necessidades após o desastre do impacto das secas tidas nos últimos 3 anos, que foi avaliado em perdas por 74,7 bilhões de kwanzas e em danos em volta de 49 bilhões de kwanzas. Esta avaliação foi implementada em estreita colaboração com Eugénio Laborinho, Secretário do Ministério do Interior e as Comissões Nacionais e Provinciais da Proteção Civil, com a colaboração intensa dos sectores nacionais e provínciais de estatística (INE), saúde, nutrição, agricultura, águas, MINARS, educação, promoção da mulher, comércio, florestas e ambiente. Igualmente, há de reconhecer o suporte técnico e financeiro dos parceiros internacionais.

Leia na íntegra, o Discurso proferido pelo Coordenador das Nações Unidas em Angola durante a Cerimónia de abertura do Seminário.