Nações Unidas em Angola: missão de apoio à província de Benguela para interromper a epidemia da febre amarela

May 27, 2016

Benguela, 27 de Maio de 2016 -  No âmbito das acções de resposta nacional para evitar o alastramento da febre amarela, que tem afectado varias províncias de Angola, o Sistema das Nações Unidas em Angola, representado pelo Coordenador Residente, Paolo Balladelli e a OCHA acompanharam os funcionários do Ministério da Saúde numa missão de avaliação à província de Benguela. A visita permitiu verificar o estado de avanço da resposta nas cinco componentes: vigilância, vacinação, combate ao mosquito, assistência aos casos identificados e mobilização social.

Esta deslocação permitiu visitar e conhecer de perto os municípios de Cubal e Baía Farta e as comunidades da província de Benguela abrangidas pela Campanha de vacinação que está a ser implementada com o apoio do Ministério de Finanças que disponibilizou um orçamento para cobrir as despesas da resposta à doença. Igualmente, destaca-se o papel fundamental desempenhado pelas autoridades nacionais e locais, nomeadamente a Polícia Nacional e as Forças Armadas, bem como o apoio prestado pela  OMS, UNICEF, ONGs internacionais e a sociedade civil.

Ainda, durante a sua estadia, que decorreu de 25 a 27 de Maio, o Coordenador Residente do Sistema das Nações Unidas em Angola encontrou-se  com o Governador da Província de Benguela, Senhor Isaac dos Anjos para analisar as melhores estratégias e medidas de prevenção para interromper a transmissão da febre amarela, tendo em conta que alguns casos identificados noutras províncias do país tiveram a sua origem na província de Benguela.

“O elemento mais importante para o êxito da resposta à esta epidemia é uma boa mobilização social envolvendo: os líderes, os activistas, os sobas, as ONGs, o sector privado e a igreja para podermos atingir uma boa participação da comunidade na resposta à vigilância, à vacinação e ao controlo do mosquito” frisou Balladelli.

Salienta-se que nas comunas dos Municípios de Baia Farta, Balombo, Benguela, Cubal, até o dia 26 de Maio, a percentagem de pessoas vacinadas ronda os 50 e 80%, devendo-se atingir 95% para interromper a transmissão da doença.