Nações Unidas e Sector Privado Angolano promovem encontro para a contenção da epidemia de febre-amarela no país

Mar 3, 2016

Luanda, 03 de Março de 2016.  O Coordenador Residente das Nações Unidas e Representante do PNUD em Angola, Dr. Paolo Balladelli, junto com o Presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), Dr. José Severino, organizaram hoje uma reunião alargada com o sector privado, para abordar possibilidades de apoio do sector para a contenção da epidemia que assola a capital do país, desde Dezembro do ano passado.

Durante a sua apresentação, que teve lugar na Sala de Conferências do Hotel Trópico, o Coordenador Residente das Nações Unidas em Angola, fez um balanço do ponto de situação da epidemia em Angola e aproveitou a ocasião para apelar aos participantes que ”O governo precisa do apoio dos parceiros internacionais e das entidades nacionais, inclusive o sector privado angolano, para juntar todos os esforços possíveis na resposta urgente à epidemia para se evitar o seu alastramento às outras províncias do país e aos países limítrofes. O tempo e a abrangência da resposta na vacinação, o controlo de vectores e do lixo são os factores mais importantes no combate à epidemia”.

O encontro teve o objetivo de informar sobre a situação do surto e identificar modalidades de trabalho conjunto entre as Nações Unidas e o sector privado visando a aumentar a eficácia e eficiência de respostas à epidemia. Com esse fim, foi criada uma conta bancaria no BAI e irão ser mobilizados recursos financeiros e materiais para apoiar o Executivo numa resposta acelerada: material de educação e sensibilização comunitária, recursos humanos, fundos para custos operacionais, transporte das vacinas e lanches para as equipas de vacinação, entre outros elementos fundamentais da logística – para controlar a epidemia de febre amarela.                                                                

Recorde-se que as Nações Unidas, através da Organização Mundial da Saúde (OMS), a UNICEF e o PNUD prestaram apoio, bem como o Executivo Angolano, para a compra de sete milhões de doses de vacinas para a campanha de vacinação em Angola. Igualmente, outros parceiros internacionais como CDC-US, MSF, Cooperação Cubana  estão actualmente a prestar cooperação de urgência ao país para enfrentar a epidemia.

Contudo, apesar de algumas dificuldades verificadas na resposta, após 20 dias de campanha de vacinação foram vacinadas 3,600,000 pessoas nos municípios de Viana, Belas, Cacuaco e Cazenga. Os outros municípios da Província de Luanda, serão beneficiados no plano de vacinação.

Actualmente, a epidemia está limitada à província de Luanda e até à data, apesar de quatro doentes de febre amarela já confirmados em Huambo, Huila e Cuanza Sul, não há evidências de uma transmissão local noutras províncias.