Informação para romper com o mistério e desmascarar o horror das drogas

Nov 10, 2015

 Luanda, 10 de Novembro de 2015 – “Os jovens são estimulados pelo mistério, mas se informar corretamente, se tirar o mistério e explicar os horrores das drogas, os jovens perderiam o interesse em experimentá-las – remarcou hoje Paolo Balladelli, Coordenador Residente das Nações Unidas em Angola, que falava na cerimónia de encerramento do Festival “Teatro no presente, Futuro sem drogas”, que decorreu em Luanda, com a entrega de prémio ao melhor classificado provincial.

Segundo o funcionário "As Nações Unidas reiteram o seu compromisso em continuar a parceria com o Governo de Angola para a construção de um Pais consciente e claro sobre os riscos das drogas assim como para a definição das melhores estratégias na gestão sucedida deste risco", garantiu.

O encontro foi presidido pelo Ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Dr. Rui Mangueira, ladeado pela Secretária de Estado para Assistência Social, Maria da Luz Magalhães, e a Directora Nacional do INALUD, Ana Mamede Graça. Estiveram também presentes Secretários de Estado de diferentes ministérios e Directores Nacionais e representantes dos sectores público e privado e da sociedade civil.

No quadro da actual parceria, o PNUD tem o propósito de apoiar a missão do INALUD para ajudar a construir uma sociedade Angolana consciente e protegida do uso indevido de drogas. Entretanto, esta plataforma também apresenta oportunidade para conscientizar a juventude, que constitui a maior parte da população Angolana, sobre os seus direitos e deveres cívicos.

“Concordamos com a posição do INALUD que é sobretudo a gestão dos riscos sociais e a prevenção e a promoção da Justiça e do Estado de Direito, a boa cidadania e o desenvolvimento que podem mitigar os riscos da toxicodependência", reforçou o Representante Residente do PNUD em Angola.

Para além da informação sobre os horrores da droga para desmascarar o mistério que para os jovens pode ser o elemento chave para experimentá-las,  Balladelli considerou a prioridade na agenda, a prevenção às drogas e sugeriu "educar á saúde mental como bem supremo, ainda mais importante que a saúde dos músculos e a boa alimentação. Por exemplo, o teatro, o cinema e as telenovelas educativas ajudam as pessoas e os jovens a compreender a importância da luta contra às drogas. Também considerou que reprimir os grandes traficantes e colaborar ao nível internacional no desmantelamento das ganâncias dos traficantes é a única repressão que funciona, porque as detenções isoladas ajudam na seleção natural e acordam mais poder e força aos gangs que têm mais habilidades na penetração". Finalmente, frisou que é necessário lutar eficazmente contra a corrupção porque “onde a polícia e a justiça são limpas, os traficantes são forçados a procurar mercados alternativos"

Em Angola, a campanha contra as drogas está a ser desencadeada e coordenada pelo Instituto Nacional de Luta Anti-Drogas (INALUD), contando com o apoio do Escritório do PNUD no país, cujo objectivo principal é a prevenção e sensibilização sobre a problemática da droga e o seu impacto na vida das pessoas, famílias e comunidades, tendo como alvo a camada estudantil das escolas dos Municípios de Luanda.

Nos recém aprovados Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs), o tema droga enquadra-se na Meta 3. Estas e outras acções fazem parte de uma agenda a ser discutida na Assembleia Geral das Nações Unidas, em preparação para a Sessão Especial sobre a problemática da droga no mundo a ser realizada em 2016.

Para mais informações, leia na íntegra o Discurso do Coordenador Residente das Nações Unidas em Angola