Evidencias de novo estudo permitem elaborar o plano de Angola para a Iniciativa Global de Energia Sustentável para Todos.

Aug 12, 2015

O encontro de parceiros do sector de energia ocorreu esta manhã no anfiteatro do edifício do Ministério de Energia e Águas em Luanda, organizado pelo Ministério de Energia e Águas junto com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e com o acompanhamento do Banco Africano para o Desenvolvimento (BAD). Analisaram-se lacunas do sector energético do País dentro da iniciativa global de Energia Sustentável para Todos (SE4ALL).

“Com a participação dos atores chaves do sector junto com o governo poderemos atingir o acesso universal á energia fiável, sustentável e moderna, necessária para impulsionar o desenvolvimento sustentável do País e contribuir para a redução da pobreza” – declarou o Coordenador Residente das Nações Unidas em Angola Paolo Balladelli, quem reconheceu o compromisso do Executivo para a iniciativa de energia sustentável global.

De realçar que o workshop enquadra-se na agenda internacional pós-2015, que propõe a inclusão no leque dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) de um objectivo específico para o acesso a energia, como condição para o desempenho de outras áreas económicas e sociais, como a educação, a agricultura, a indústria, a saúde. 

“Na mesma linha de compromisso, a participação de Angola nos processos regionais, tanto na SADC como na Comunidade Económica dos Estados Membros da África Central (CEEAC), fez com que fosse aprovado pelos respectivos Ministros de Energia, o Livro Branco sobre “Política regional para um acesso universal aos serviços energéticos modernos e desenvolvimento económico e social’’, referiu Paolo Balladelli.

A abertura do evento contou com a presença dos Secretarios de Estado da Energia, Joaquim Ventura e dos Petroleos, Anibal Silva, do representante do Banco Africano de investimento em Angola, Septime Martin e do Coordenador Residente das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli. O evento contou com a presença de Diretores Nacionais de diferentes Departamentos Ministeriais, representantes do Corpo Diplomático e das Nações Unidas em Angola  e representantes do Sector Privado.